Trinta e seis anos de Intercolegial. Uma história que a turma que nos acompanha conhece bem.  Tudo começou em 1982, quando a editoria dos Jornais de Bairro buscava uma promoção popular para acompanhar seu lançamento nas edições de O Globo. O Departamento de Promoções do jornal, comandado por Péricles de Barros, foi o responsável por elaborar esse projeto. A ideia de uma competição estudantil esportiva, com vários esportes olímpicos, criada por Roberto Garofalo e José Sebastião, foi aprovada, junto com outro evento esportivo, o Campeonato de Vôlei de Rua. Em 1983, as duas estavam no ar com o Vôlei de Rua no primeiro semestre e o Intercolegial no segundo. Durante cinco anos caminharam juntos até que em 1988, o Intercolegial passou a ocupar os dois semestres e se tornou a grande promoção esportiva dos Jornais de Bairro. O recorde de participação continua em poder da primeira edição da competição em 1983, quando 472 colégios confirmaram inscrição. Na oportunidade, os jogos eram realizados de segunda a domingo. Hoje, apenas aos sábados e domingos.

Basquete, Vôlei, Handebol, Atletismo e Natação continuam sendo  os esportes registrados em todas as edições. O Futsal aconteceu em 1983, mas por causa de várias inscrições irregulares foi retirado, só voltando em 1998. Do grupo de esportes que forma a programação de 2018, o Judô entrou em 1990, o Xadrez teve um período de 1983 a 1988 e depois retornou em 2007, o Vôlei de Praia surgiu em 2007,  o  Basquete 3x3 fez sua estreia em 2008 e o Skate marca o seu segundo ano na competição..

Em virtude de ser um ano de Copa do Mundo de Futebol e de Eleições,  e com calendários escolares diferentes  de 2017, o Intercolegial vem com modificações em seu Regulamento, principalmente no que se refere ao número de participação dos colégios nos esportes coletivos. Mas  a disputa do Troféu Fair Play, vencida no ano passado pelo Geo Juan Antônio Samaranch, continua, assim como a realização de onze esportes.. 

Nunca é demais afirmar que o Intercolegial é considerado o maior evento estudantil do Brasil e que tem orgulho de registrar que surgiram em suas quadras, piscinas e pistas de atletismo nomes internacionais como Ana Richa (Colégio Souza Leão), Luiz Lima (Colégio Princesa Isabel), Virna (Colégio MV1), Bruno Laport Brandão (Colégio Gonçalves Dias, de Nova Iguaçu), o líbero Mário Júnior (Colégio MV1) da seleção brasileira de vôlei e a eterna musa Patrícia Amorim (Colégio Rio de Janeiro) e o nadador Matheus Santana, aluno do Colégio Legrand, de Botafogo, Zona Sul do Rio, especialista nos 50 e 100 metros livres.

Nas modificações na programação desse ano, não teremos o  Desfile de Abertura, mas a Festa de Encerramento está confirmada . Como uma tradição no Inter, o futsal abrirá a disputa das modalidades do calendário de 2018 e, ainda no primeiro semestre teremos o Basquete. Depois do grande sucesso no ano passado, a Grande Final está mantida com as decisões no atletismo, natação, vôlei de praia, skate e futsal. Para o segundo semestre, o Intercolegial continua com o handebol, vôlei, basquete, basquete 3x3, xadrez e judô.

Na última semana de novembro, teremos a Reunião de Avaliação – que já se tornou tradicional na programação anual dos jogos –, e a Festa de Encerramento, como sempre repleta de atrações, encerrará em dezembro a promoção do 36º Intercolegial O Globo/SESC. Um grande Intercolegial para todos nós.