Escola Nova Gávea espera continuar hegemonia no vôlei feminino e repetir bons resultados entre os meninos
Clique para ampliar

Numa trajetória que já vem de quatro edições seguidas do Intercolegial, a Escola Nova Gávea é uma realidade nas disputas dos pódios do vôlei. As meninas abriram os caminhos do ouro com o primeiro título, em 2016, numa campanha espetacular, sem um set perdido sequer na categoria sub-14 não federada. Desde então, frequentaram e ganharam finais da modalidade até 2019. Os meninos começaram um ano depois, em 2017, quando ganharam o ouro sub-14 não federado e foram prata nas duas últimas edições.

Mesmo ciente das dificuldades enfrentadas por um ano e meio de pandemia, que ainda restringe, e muito, a preparação de suas equipes, o técnico Fabio Guzzo mostra confiança em bons resultados. O professor, no entanto, faz questão de frisar a alegria de todos em poder entrar em quadra novamente.

— É um prazer participar mais uma vez do Intercolegial. A gente estava vivendo a expectativa aqui na escola. As crianças sempre muito ansiosas, me perguntavam se o Inter aconteceria ou não. Deu tudo certo, vai acontecer, de uma maneira adaptada, mas já é um benefício super legal. O mais importante é que as crianças se divirtam, possam se movimentar, botar o corpo para trabalhar, sair um pouco daquela situação de pandemia... todo mundo em casa, trancado. Esses jogos vêm para somar e ajudar muito nessa batalha contra a pandemia e contra essa situação toda — afirma Guzzo.

Mesmo diante das dificuldades e da necessidade de colocar a saúde em primeiro lugar, o treinador garante que não faltará dedicação para repetir as boas campanhas.

— O clima é bom, de otimismo e confiança. Acredito que o nível técnico pode ter uma baixa geral, para todas as equipes, pois até no vôlei de alto rendimento neste ano, estou achando que as equipes estão pegando no tranco. Assim que tivemos a confirmação do Intercolegial e da disputa do vôlei, nós retomamos os treinos. Estamos com as equipes masculina e feminina, treinamos de uma a duas vezes por semana, dependendo da programação da escola, das aulas, sabendo que não pode haver aglomeração, o que dificulta um pouquinho, mas acredito que vamos ter bons resultados novamente. Vamos trabalhar e torcer para isso — encerra.

O título inédito das meninas sub-13 não federadas, em 2016, abriu o apetite da Escola Nova. As equipe feminina repetiu o feito, foi bicampeã no ano seguinte e ainda inspirou os meninos, que ganharam o ouro sub-14 não federado. A equipe feminina voltou ao primeiro lugar do pódio, em 2018, desta vez pela categoria sub-15 não federada, enquanto a equipe masculina ficou com o vice-campeonato sub-18 não federado. Na edição anterior do Inter (2019), as garotas voltaram a vencer (sub-15 não federada) e os meninos beliscaram a prata sub-15 não federada.

FOTOS: Ari Gomes


Voltar